sexta-feira, 28 de agosto de 2015

ORAÇÃO DE GANDHI



Imagem da Internet



Senhor, ajuda-me a dizer a verdade
diante dos fortes
e a não dizer mentiras para
ganhar o aplauso dos fracos.
Se me dás fortuna, não me tires a razão.
Se me dás sucesso, não me tires a humildade.
Se me dás humildade, não me tires a dignidade.
Ajuda-me a enxergar o outro lado da moeda.
Não me deixes acusar o outro
por traição aos demais, apenas por não pensar igual a mim.
Ensina-me a amar os outros como a mim mesmo.
Não deixes que me torne orgulhoso se triunfo,
nem cair em desespero se fracasso.
Mas recorda-me que o fracasso
é a experiência que precede o triunfo.
Ensina-me que perdoar é um sinal de grandeza
e que a vingança é um sinal de baixeza.
Se não me deres o êxito,
dá-me forças para aprender com o fracasso.
Se eu ofender as pessoas,
dá-me coragem para desculpar-me.
E se as pessoas me ofenderem,
dá-me grandeza para perdoar-lhes.
Senhor, se eu me esquecer de Ti,

Nunca Te esqueças de mim.

MESMO QUE SEJA ESTRANHO

Imagem da Internet



Chega de mascaras, vamos colocar
o nosso eu a amostra.
Mesmo que seja estranho,
e nosso, e verdadeiro e inteiro...

Meu cabelo é meu,
a roupa que visto é gosto meu...
Meu jeito é estilo meu!
Estranho?
Esta sou eu!

Encaro a vida numa boa...
Boa energia de viver,
entre estranhos a se torna iguais,
num mundo de desiguais!

Por Mary_Mariana de Oliveira
Petrópolis-RJ



Publicado originalmente em: http://admiravelmisteriodeconviver.blogspot.com.br/2013/06/mesmo-que-seja-estranho.html

terça-feira, 25 de agosto de 2015

A GARÇA

Desenho em grafite por Mary_Mariana de Oliveira
Garça Moura
Paquetá

Na imensidão do oceano
 A sua simplicidade se faz
Grandiosa e liberta
Onde tudo pode
No ir e vir
A nós só cabe observar
Tamanha beleza...

Mary_Mariana de Oliveira

Petrópolis-RJ

Desenho em grafite por Mary_Mariana de Oliveira

Garça Moura
Paquetá

segunda-feira, 3 de agosto de 2015

O AMOR É ROSA




Imagem da Internet


Eu sou branco. Você é vermelho.
Quando estamos juntos somos rosa.
Antes de eu conhecer você, eu não sabia o que era rosa.
Até que eu vivia bem sozinho:
comia o que e na hora que eu queria;
saía na hora quando bem entendia para ir ao lugar que tinha vontade de ir,
numa liberdade, independência e auto-suficiência.
Quando eu vi você, fiquei vermelho de paixão
e nem me incomodei com os meus brancos.
Até perceber-me que eu já não era mais o branco.
Foi quando o vermelho começou a me sufocar e então, brancamente, me protegi.
Mas às vezes eu me irritava e brigava com você.
No fundo, era porque você era vermelha e não branca igualzinho a mim.
Percebi-me em alguns variados momentos querendo mudar a sua cor.
Ainda bem que você soube permanecer-se vermelha, ter suas próprias emoções,
sentimentos, comportamentos e pontos de vista.
Caso contrário, você seria também branca.
Mas tive minhas reticências,
pois estava acostumado ao meu ritmo e modo de vida branco.
Temi perder minha individualidade.
Mas aos poucos fui descobrindo que o branco para se transformar em rosa
não é perder, desestruturar-se e desaparecer, mas é completar-se com o vermelho.
O rosa me atemorizou, mas hoje vejo quanto é gostoso conviver,
relacionar-me, amar e ser amada.
Dá mais trabalho porque nem tudo pode e deve ser feito brancamente,
mas sem dúvida tudo pode ser mais gostoso e rico com o vermelho.
Frequentemente, um bom lanche branco
não é tão agradável quanto um singelo jantar rosa.
Um mundo muito Cor de Rosa a todos....


Içami Tiba